quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Felizes Sem Deus

A apresentadora de TV americana Oprah Winfrey realizou uma entrevista com mulheres dinamarquesas.
A entrevista engloba diversos assuntos, desde a situação social e financeira da Dinamarca até a crença em divindades.
Confira, abaixo, o vídeo.







sábado, 18 de setembro de 2010

Nazismo, ateísmo e secularismo e o Papa.

Se você não esteve em Marte nos últimos dias, deve saber da visita do Papa Bento XVI (ou Joseph Ratzinger, como quiser) ao Reino Unido.
Acontece que o pontífice resolveu falar de ateísmo, secularismo e nazismo no seu pronunciamento diante da rainha Elizabeth.
"Até mesmo durante as nossas vidas, nós conseguimos lembrar como a Grã-Bretanha e seus líderes se levantaram contra a tirania nazista que queria erradicar Deus da sociedade e negava nossa humanidade comum a muitos, especialmente os judeus, que se julgava indignos de viverem", disse Bento XVI."
 Como diria um conhecido meu: "Contra dados e fatos não há argumentos".
Dizem também que uma imagem vale mais que mil palavras. Quanto valem algumas imagens?














Mas me chocou mais um outro trecho do discurso papal, em que ele pedia que os britânicos evitassem "formas agressivas de secularismo"


O que seriam formas agressivas de secularismo?
O Secularismo é a completa separação entre igreja e estado e, em definição mais abrangente, a independência de religiões e uso da lógica racional para se explicar o mundo.
Portanto, uma forma agressiva de secularismo seria o uso intensivo da lógica e da racionalidade para se explicar o mundo.
Desculpa, senhor Papa, mas não abrirei mão da minha condição de ser pensante a pedido seu.


Para terminar, um vídeo postado por Asa Heuser em seu blog, Uma Atéia de Bom Humor, que finaliza de forma estupenda a discussão sobre nazismo, ateísmo e catolicismo.






]

Ah, e a maravilhosa música do vídeo é "My God", do Jethro Tull

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

A Caridade

Hoje, depois de uma conversa com um amigo, comecei a pensar sobre a caridade.

Algumas definições para caridade:
De acordo com o Aurélio Online:

s.f. Teologia Amor a Deus e ao próximo: a caridade é uma das três virtudes teologais. / Na expressão comum, amor ao próximo: agir por pura caridade. / Esmola, favor, benefício: fazer a caridade. / Bondade, compaixão.
De acordo com a Wikipedia:

Caridade é um sentimento ou uma ação altruísta de ajudar o próximo sem buscar qualquer tipo de recompensa. Amor ao próximo; bondade; benevolência; compaixão; esmola.

------------------

Começo discordando de tais afirmações, especialmente a da Wikipedia, no trecho em que diz “sem buscar qualquer tipo de recompensa”. Suponho que a recompensa referida seja a recompensa material, já que é inegável que existe um certo tipo de auto-felicitação ao se executar a caridade. Sentimos-nos melhor ao fazer caridade, ao fazer o bem.

De certa forma, conclui-se, a caridade é uma atitude egoísta.
Isso se torna uma afirmativa difícil de digerir por causa da visão negativa que a maioria das pessoas tem do egoísmo.
Usando novamente a definição da Wikipedia:

Egoísmo é o hábito ou a atitude de uma pessoa colocar seus interesses, opiniões, desejos, necessidades em primeiro lugar, em detrimento (ou não) do ambiente e das demais pessoas com que se relaciona.


“Detrimento (ou não)”. Ou seja, o egoísmo não é necessariamente ruim a outras pessoas, podendo ser somente bom para o agente.
Isso confirma a caracterização da caridade como uma forma de egoísmo, uma forma de conseguir o próprio bem, na forma de auto-satisfação, sem necessariamente fazer mal ao outro, pelo contrário.

Talvez isso explique o motivo de inúmeras religiões usarem a caridade como bandeira e como forma de purificação.
 Visto isso, é obrigatório mencionar o espiritismo, cuja principal fonte, o “Livro dos Espíritos”, de Allan Kardec, afirma que “Não há salvação fora da caridade”. De acordo com a doutrina espírita, o objetivo da alma é se elevar (novamente, SE elevar, elevar a si mesmo) até a perfeição, e um dos caminhos (acredito, pela frase, que o principal ou único caminho) para isso seria a caridade, o altruísmo.
Isso me leva a questionar se espíritas (e outros religiosos) praticam a caridade por achar que é a coisa certa a se fazer (e, logo, conseguir a auto-satisfação mencionada) ou somente por buscar a salvação e a perfeição.
Em ambos os casos a caridade se caracteriza como um ato egoísta, mas é interessante questionar se tal ato parte da pessoa ou de doutrinas alheias a ela.


PS: Nenhum preconceito com o espiritismo, mas foi o exemplo mais direto que encontrei de caridade na visão religiosa. 

A visão social da caridade também contribui bastante para o desejo de ser caridoso, pois o caridoso é bem visto em círculos sociais (isso fica bem claro em épocas de eleições, em que ocorrem grandes doações de cestas básicas e etc.), e ser bem visto é fator primordial para ser aceito , incentivando a caridade.

---------------------

Um filósofo inglês cujo nome não me recordo disse que fazendo o bem a si mesmo o homem faz o bem aos outros, e que se todos buscarem conscientemente o próprio bem a sociedade terminaria por encontrar o bem comum.
Ele pode não estar totalmente certo, mas, após essa análise da caridade, fica difícil discordar.

Espero que meu texto não faça você, leitor, se sentir mal em relação à caridade, esse não é o objetivo. O objetivo é somente esclarecer que o egoísmo não necessariamente é algo ruim, apenas mal visto.
Continue sendo caridoso, pois é bom ajudar os outros. E se sentir bem por isso é ainda melhor.