quinta-feira, 16 de setembro de 2010

A Caridade

Hoje, depois de uma conversa com um amigo, comecei a pensar sobre a caridade.

Algumas definições para caridade:
De acordo com o Aurélio Online:

s.f. Teologia Amor a Deus e ao próximo: a caridade é uma das três virtudes teologais. / Na expressão comum, amor ao próximo: agir por pura caridade. / Esmola, favor, benefício: fazer a caridade. / Bondade, compaixão.
De acordo com a Wikipedia:

Caridade é um sentimento ou uma ação altruísta de ajudar o próximo sem buscar qualquer tipo de recompensa. Amor ao próximo; bondade; benevolência; compaixão; esmola.

------------------

Começo discordando de tais afirmações, especialmente a da Wikipedia, no trecho em que diz “sem buscar qualquer tipo de recompensa”. Suponho que a recompensa referida seja a recompensa material, já que é inegável que existe um certo tipo de auto-felicitação ao se executar a caridade. Sentimos-nos melhor ao fazer caridade, ao fazer o bem.

De certa forma, conclui-se, a caridade é uma atitude egoísta.
Isso se torna uma afirmativa difícil de digerir por causa da visão negativa que a maioria das pessoas tem do egoísmo.
Usando novamente a definição da Wikipedia:

Egoísmo é o hábito ou a atitude de uma pessoa colocar seus interesses, opiniões, desejos, necessidades em primeiro lugar, em detrimento (ou não) do ambiente e das demais pessoas com que se relaciona.


“Detrimento (ou não)”. Ou seja, o egoísmo não é necessariamente ruim a outras pessoas, podendo ser somente bom para o agente.
Isso confirma a caracterização da caridade como uma forma de egoísmo, uma forma de conseguir o próprio bem, na forma de auto-satisfação, sem necessariamente fazer mal ao outro, pelo contrário.

Talvez isso explique o motivo de inúmeras religiões usarem a caridade como bandeira e como forma de purificação.
 Visto isso, é obrigatório mencionar o espiritismo, cuja principal fonte, o “Livro dos Espíritos”, de Allan Kardec, afirma que “Não há salvação fora da caridade”. De acordo com a doutrina espírita, o objetivo da alma é se elevar (novamente, SE elevar, elevar a si mesmo) até a perfeição, e um dos caminhos (acredito, pela frase, que o principal ou único caminho) para isso seria a caridade, o altruísmo.
Isso me leva a questionar se espíritas (e outros religiosos) praticam a caridade por achar que é a coisa certa a se fazer (e, logo, conseguir a auto-satisfação mencionada) ou somente por buscar a salvação e a perfeição.
Em ambos os casos a caridade se caracteriza como um ato egoísta, mas é interessante questionar se tal ato parte da pessoa ou de doutrinas alheias a ela.


PS: Nenhum preconceito com o espiritismo, mas foi o exemplo mais direto que encontrei de caridade na visão religiosa. 

A visão social da caridade também contribui bastante para o desejo de ser caridoso, pois o caridoso é bem visto em círculos sociais (isso fica bem claro em épocas de eleições, em que ocorrem grandes doações de cestas básicas e etc.), e ser bem visto é fator primordial para ser aceito , incentivando a caridade.

---------------------

Um filósofo inglês cujo nome não me recordo disse que fazendo o bem a si mesmo o homem faz o bem aos outros, e que se todos buscarem conscientemente o próprio bem a sociedade terminaria por encontrar o bem comum.
Ele pode não estar totalmente certo, mas, após essa análise da caridade, fica difícil discordar.

Espero que meu texto não faça você, leitor, se sentir mal em relação à caridade, esse não é o objetivo. O objetivo é somente esclarecer que o egoísmo não necessariamente é algo ruim, apenas mal visto.
Continue sendo caridoso, pois é bom ajudar os outros. E se sentir bem por isso é ainda melhor. 

2 comentários:

  1. hauhauha adorei, ainda mais a parte do nao-preconceito ao espiritismo, mostra pra rafa :P

    ResponderExcluir
  2. Já faz tempo que eu tinha chegado à conclusão de que ajudar os outros faz com que a pessoa se sinta bem, e isso não deixa de ser egoismo, mas é um tipo de egoismo bom. Acho que a empatia também tem um papel nisso; imaginamos como a outra pessoa deve estar se sentindo, porque projetamos nela como nós nos sentiríamos se estivessemos em seu lugar e recebessemos ajuda.
    Pode ser difícil para algumas pessoa admitir, mas é assim mesmo. :)

    ResponderExcluir