quarta-feira, 13 de outubro de 2010

O Papa é Pop (Ou Bento XVI- Parte 2)

Depois de associar nazismo a ateísmo e reclamar da secularização britânica, o Papa Bento XVI (ou Joseph Ratzinger) falou novamente sobre a descrença.
Diante de 40.000 fiéis que assistiam seu discurso na Praça de São Pedro o papa afirmou que "Estamos todos em perigo por viver como se Deus não existisse, mas Deus tem milhares de formas de estar presente em nossa alma, de mostrar que existe e que nos conhece".


Palavra da salvação. NÃO.


Eu adoraria, mesmo, ter uns dez minutos de conversa com o Papa. Nesse diálogo eu o questionaria sobre suas ligações com o Nazismo, e, consequentemente, sua cara-de-pau de ligar tais fatos ao ateísmo. Perguntaria também sobre sua definição de "formas agressivas de secularismo". E, por que não, perguntaria sobre sua posição diante de padres pedófilos. E, para terminar, perguntaria que tipo de perigo ele vê em não acreditar na mesma divindade que ele.


*****


Hoje mesmo, em jantar com amigos, comentei sobre as atitudes do Papa em relação aos assuntos acima comentados. E, por acaso, também hoje falei sobre o Papa em sala de aula.
Digo isso pois é impressionante como até mesmo os católicos reprovam veementemente a atitude Papal. Só ouvi, das quarenta pessoas para as quais falei, uma represália, de uma amiga. Ela reclamava de eu ter xingado o Pontífice.


Vanessa (http://www.jemanfu.blogspot.com), me perdoe, mas uma pessoa que:

  • Fecha os olhos para os erros de sua instituição: (" estou pessoalmente convencido de que a constante presença dos pecados dos padres católicos na imprensa, especialmente nos Estados Unidos, é uma campanha planeada, já que a percentagem dessas infrações entre padres não é mais alta do que em outras categorias", disse ele)
  • Foi membro da Juventude Hitlerista
  • Ofende milhões de descrentes ao associá-los às atrocidades nazista
  • Eu não sei o nome disso, mas a citação diz tudo ("Um católico será considerado culpado por cooperar com o mal, e não poderá receber a comunhão, se votar em um candidato político por ele ser a favor da eutanásia e/ou do aborto.")
É um filho da puta.

Um comentário:

  1. Está na hora de parar de respeitar as pessoas simplesmente pela posição que ocupam. Se querem respeito, que seus atos e declarações sejam respeitáveis.
    O Ratzinger é um filhodaputa.

    ResponderExcluir